Ecoturismo e educação ambiental

Prof. Fernando Vasconcelos e condutores Kalungas. Aula prática do treinamento em Sustentabilidade e Organização do Turismo. Agosto 2011.

No contexto do Projeto Kalunga Sustentável, que é patrocinado pela PETROBRAS e realizado pela Associação Quilombo Kalunga, estamos dando continuidade à implementação e realização direta de atividades previstas para consolidar o turismo como atividade geradora de renda, com foco neste momento na comunidade Engenho II do Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga, em Cavalcante/GO. Assim, a partir de uma pesquisa de conteúdo sobre outras capacitações já realizadas tanto para os condutores Kalungas quanto para aquelas oferecidas na cidade de Cavalcante/GO, realizamos, nos últimos três meses, duas atividades importantes, e que ainda terão desdobramentos neste ano de 2011. A primeira delas foi um curso de Sustentabilidade e Organização do Turismo, realizado em agosto de 2011.

Com base nesse levantamento de dados secundários sobre o conteúdo dos cursos já ministrados na região, montamos uma grade de conteúdo que buscou organizar o momento da recepção e dar mais segurança para a condução dos turistas. Para tanto, nos inspiramos no Programa Aventura Segura da ABETA (Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura) e, em especial, na Norma ISO 15285 – Turismo de Aventura – Condutores – Competência Pessoal.

Prof. Fernando Vasconcelos e condutores Kalungas. Aula prática do treinamento em Sustentabilidade e Organização do Turismo. Agosto 2011.

Vale dizer que a Norma é de aplicação voluntária. Entretanto, sua aplicação está baseada numa rotina de planejamento da atividade ecoturística e, nesse contexto, permite ao gestor e condutores da atividade oferecer o mesmo serviço de forma muito mais segura. Os resultados vão desde a transmissão de uma sensação de segurança maior pelo turista que contrata o serviço até a fidelização do cliente.

Ainda há um longo caminho a ser percorrido para a aplicação integral da Norma, entretanto, há motivação para os primeiros passos nessa direção e a qualidade do serviço dos condutores Kalungas deve ficar ainda melhor já a partir desse final de ano.
Sobre a sustentabilidade ambiental da atividade do ecoturismo, discutimos os atuais traçados das trilhas a partir de seus aspectos teóricos, com o objetivo de se introduzir melhorias de diferentes proporções nas trilhas. E depois realizamos uma atividade de campo. Época de chuva chegando, erosões aparecendo… Mas aqui há uma dificuldade adicional e histórica. As trilhas Kalungas não são trilhas exclusivas para o ecoturismo. Pelo contrário! Ainda existem fazendas não desapropriadas dentro do território e por essas passam alguns poucos veículos, como é o caso da trilha para a Cachoeira Santa Bárbara. Ou, ainda, como no caso da trilha da Cachoeira Capivara, onde temos a passagem de cavalos que transportam a produção das roças de alguns dos Kalungas.

Para implementar melhorias no atendimento, a próxima etapa dessa atividade será levar todas as proposições acordadas com os alunos durante o treinamento para a Associação de Guias Kalungas e para a Associação Quilombo Kalunga – a Associação mãe dos Kalungas.

Coleta florística para identificação e valorização do Cerrado na Trilha da Capivara. Na foto, Renata Martins e Jorge Moreira realizando a coleta. Outubro, 2011.

Uma segunda atividade igualmente importante foi o início do levantamento florístico da trilha da Cachoeira Capivara. As ações definidas para essa atividade foram a identificação de espécies  significativas para o ecossistema do Cerrado, no percurso até a Cachoeira, e posterior plaqueamento no decorrer da trilha. No processo de planejamento, definimos que as espécies  deveriam ter não só uma avaliação científica, mas também, um olhar a partir da cultura Kalunga. Nossa estratégia foi a de unir o conhecimento tradicional com a ciência botânica. Com isso, o resultado que se espera é promover educação ambiental naquela comunidade e aos visitantes, e, ainda, que a valorização gerada nessa trilha resulte no aumento da satisfação do turista que visita a Cachoeira.Para tanto, contamos com a dedicação da doutoranda Renata Martins/UnB para a coleta e avaliação científica e, pela comunidade Kalunga, tivemos a colaboração do Sr. Jorge Moreira, que teve a missão de apresentar o conhecimento da comunidade sobre as espécies do Cerrado. A junção dessas duas visões de mundo permitiu um trabalho de diagnóstico muitíssimo rico. Mais ainda, possibilitou uma capacitação adicional para oito condutores Kalungas de ecoturismo que participaram da atividade.

Identificação e aula sobre a fisiologia e usos da flora do Cerrado. Condução: Renata Martins e Jorge Moreira. Outubro, 2011 .

Identificação e aula sobre a fisiologia e usos da flora do Cerrado na Trilha da Capivara para grupo de condutores Kalungas. Condução: Renata Martins e Jorge Moreira. Outubro, 2011 .

A próxima etapa será a repetição dessa estratégia de levantamento, classificação e plaqueamento para a trilha da Cachoeira Santa Bárbara. Os atrativos naturais ficarão ainda mais interessantes!

Em breve teremos mais informações.

(Texto de Fernando Vasconcelos – Aimará Gestão Ambiental)

Deixe uma resposta